Seminários

 

 ComunalidadCreativa

 

De março a julho de 2017, o Núcleo de Estudos de Linguagem e Sociedade (NELiS) promove o Ciclo de estudos Sentirpensar a decolonialidade (feminista). Com uma proposta de abordagem introdutória dessa temática, desde uma perspectiva mais geral rumo a um foco mais específico no feminismo negro decolonial, o Ciclo será conduzido em 20h presenciais e 10h de estudos individuais.

 

 

Todos os encontros do ciclo acontecerão de 15h a 17h30 no Auditório do CEAM (Ed. Multiuso 1, primeiro andar).

As inscrições, gratuitas, devem ser efetuadas a partir de 20 de março no Interfoco. Vagas limitadas.

 

 

Programação

 

21/03

A estruturação do conhecimento nas universidades ocidentalizadas

 

Acolhimento; Apresentação do programa; Palestra introdutória

 

Texto base:

GROSFOGUEL, Ramón. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Soc. estado. [online]. 2016, vol.31, n.1 [cited  2017-03-03], pp.25-4.

 

 

28/03

Registro dos saberes e fazeres das parteiras do DF e entorno

 

Esse dom que Deus me deu

Profa. Dra. Silvéria Maria dos Santos

(palestrante convidada)

 

11/04

América Latina e giro decolonial

 

Leitura prévia e discussão.

 

Textos base:

 

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Rev. Bras. Ciênc. Polít. [online]. 2013, n.11, pp. 89-117.

 

 

CANDAU, Vera. Entrevista. In Revista Novamérica, jan-mar 2016, n. 11, pp. 4-17.

 

25/04

“Más allá de la razón hay un mundo de colores”

 

Leitura prévia e discussão.

 

Textos base:

ACHINTE, Adolfo Albán. Conocimiento y lugar: “más allá de la razón hay un mundo de colores". In Más allá de la razón hay un mundo de colores : modernidades, colonialidades y reexistencia. Santiago de Cuba: Editorial Oriente, 2013, pp. 3-32.

MARTÍNEZ, Orlando Vergés. Notas de presentación. In Más allá de la razón hay un mundo de colores : modernidades, colonialidades y reexistencia. Santiago de Cuba: Editorial Oriente, 2013, pp. V-VIII.

09/05

Decolonialidade e perspectiva (feminista) negra

Leitura prévia e discussão.

Textos base:

 

BERNARDINO-COSTA, Joaze  and  GROSFOGUEL, Ramón.Decolonialidade e perspectiva negra.Soc. estado.[online]. 2016, vol.31, n.1 [cited  2017-03-03], pp.15-24.

 

COLLINS, Patricia Hill.Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro.Soc. estado.[online]. 2016, vol.31, n.1, pp.99-127.

 

23/05

Feminismo decolonial: uma ruptura com a visão hegemônica eurocêntrica racista e burguesa

 

Leitura prévia e discussão.

 

Textos base:

 

BARROSO, José Maria. Feminismo decolonial: una ruptura con la visión hegemónica eurocéntrica, racista y burguesa. Entrevista con Yuderkys Espinosa Miñoso. In Iberoamérica Social: revista-red de estudios sociales III, 2014, pp. 22 - 33.

 

 

BARROSO, José Maria. Descolonizando. Diálogo con Yuderkis Espinosa Miñoso y NelsónMaldonadoTorres. In Iberoamérica Social: revista-red de estudios sociales VI, 2016, pp. 8-26.

 

 

06/06

Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez

 

Leitura prévia e discussão.

 

Texto base:

 

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Rev. Estud. Fem. [online]. 2014, vol.22, n.3, pp.965-986.

 

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? A necessidade de entender que existem várias mulheres e especificidades. In Carta Capital, março 2015. Disponível em https://www.cartacapital.com.br/blogs/escritorio-feminista/quem-tem-medo-do-feminismo-negro-1920.html, acesso em 03 de março de 2017.

 

27/06

Apresentações

 

 

04/07

Apresentações, avaliação do Ciclo, fechamento.